Home
 
 
 
     
  A Glória de Deus Manifestada no Cristão 

25/08/2015

 
  Rm. 15.1-13     
 
 
 
 

Int.- Entre tantos milhões de pessoas no mundo, Deus te escolheu para a Salvação. Deus tem feito uma obra tremenda em sua vida. Deus te tirou do charco de lodo, do mundo de pecado; Deus tem te limpado com o sangue carmesim do Senhor Jesus. Deus tem feito de você, nova criatura. Deus tem tirado de você o velho homem, cheio de pecado e imundícia, e tem colocado em você o novo homem, feito justiça e santidade. 

      Deus tem trabalhado em nossa vida e nos transformado, assim como o oleiro trabalha o barro e faz dele um vaso para ornamento. Nós somos um vaso de barro nas mãos do Oleiro (Deus). 

      E Deus tem colocado nesse vaso de barro o seu tesouro mais valioso: a Sua glória. 

II Co. 4.7: Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. 

      O bem mais precioso que levamos: “É a glória de Deus em nossa vida”. 

      A Bíblia fala que somos o templo do Espírito Santo. 

I Co. 3.16: Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? 

      Agora como novas criaturas, somos morada de Deus; somos habitação de Deus. O Espírito Santo de Deus habita em nós. A glória de Deus repousa em nós. 

      Somos agora o canal de Deus nesse mundo. Somos os representantes de Deus nesse mundo. A glória de Deus manifesta nesse mundo através de nós, servos de Deus. 

Mt. 5.16: Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus. 

      Essa glória de Deus se manifesta no cristão através das suas obras. No nosso dia a dia, em nossos relacionamentos, podemos manifestar a glória de Deus. Abençoar vidas; influenciar vidas; contagiar vidas. 

      Deus quer que a Sua luz irradie nesse mundo através de cada um de nós. 

Fp. 2.15: Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo. 

I- Atribuições do Cristão na Manifestação da Glória de Deus. 

1- A Obrigação de Levar os Fracos nos Ombros. 

V. 1: Mas nós que somos fortes devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos. 

- Não vivemos um cristianismo individual, mas coletivo. 

- Somos agora da família de Deus. 

- Nessa família existe aquele que é mais fraco, e o conselho de Paulo, é que devemos suportar as fraquezas dos fracos. 

- Uma frase que sempre falo: “Tenha paciência comigo estou em construção”. 

Gl. 6.1: Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão, olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado. 

- O que faz o crente suportar as fraquezas do seu irmão? A graça de Deus que está em sua vida. 

V. 2: Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo. 

- A glória de Deus em nossa vida faz manifestar o fruto do Espírito e assim suportar o nosso irmão. 

- Nos suportamos por causa da glória de Deus em nossa vida. 

- Nada é mais sublime do que a presença da glória de Deus em nós. 

2- Na Edificação de Nossos Irmãos. 

V. 2: Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação. 

- Aquilo que for bom para a construção de seu irmão faça. 

- O agradar aqui não é fazer elogios, massagear o ego do nosso irmão; mas é fazer aquilo que vai ajudar o nosso irmão na sua edificação espiritual. 

- Apoiá-lo na busca por um crescimento espiritual. 

- Ajudá-lo em oração pela melhora da sua vida. 

- Incentivá-lo na leitura da Bíblia e na vinda à casa do Senhor. 

I Ts. 5.11: Pelo que exortai-vos uns aos outros e edificai-vos uns aos outros, como também o fazeis. 

- Olha aqui o papel do cristão que tem a glória de Deus: “Edificar um ao outro”. 

- Não é destruir o seu irmão; não é denegrir o nosso irmão; mas é edificar o nosso irmão. 

- Seja um edificador de seu irmão. 

3- Na Imitação de Cristo, o Senhor e Exemplo da Igreja. 

V. 3: Porque também Cristo não agradou a si mesmo, mas, como está escrito: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam. 

- Paulo está dizendo se Cristo não agradou a si mesmo, também nós cristãos devemos fazer a mesma coisa. 

I Co. 11.1: Sede meus imitadores, como também eu, de Cristo. 

- Jesus Cristo é para nós, exemplo de abnegação. 

- Jesus Cristo renunciou agradar a si mesmo, para que nós fôssemos edificados. 

- Aqui no V. 3: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam”. 

- Os insultos daqueles que insultam o cristão, caíram sobre Jesus. 

- Jesus na cruz do calvário defendeu a mim e a você. 

- O cristão não deve viver apenas para agradar a si mesmo. 

- O egoísmo é um comportamento de quem está na carne e não no Espírito. 

- O amor de Deus manifesto na vida do cristão, faz ele tirar os olhos de si mesmo e enxergar o seu semelhante. 

4- Na Confirmação da Nossa Esperança nas Escrituras. 

V. 4: Porque tudo que dantes foi escrito para nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança. 

- A glória de Deus na vida do cristão faz com que ele creia e tenha esperança nas Escrituras. 

- As Escrituras nos conferem esperança diante das adversidades. 

- As Escrituras nos conferem esperança de uma vida melhor. 

- As Escrituras nos conferem esperança de uma vida eterna com Deus. 

II Tm. 3.16,17: Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça. 

      Para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra. 

- As Escrituras nos ensinam, nos instrui, nos corrigi. 

Gl. 3.22: Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes. 

- As promessas feitas aos crentes estão registradas nas Escrituras. 

- A nossa esperança é renovada lendo as Escrituras. 

- A Palavra de Deus nos encoraja a prosseguir. 

- A Palavra de Deus nos fortalece a cada dia. 

5- No Acolhimento de Todos os Crentes do Corpo de Cristo. 

V. 7: Portanto, recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para glória de Deus. 

- A glória de Deus na vida do cristão o faz receber a outros. 

- Não somos nós que escolhemos quem deve fazer parte do corpo de Cristo. 

- Quem escolhe é o Senhor, e a nossa parte é aceitar quem Deus escolheu. 

- Quem tem a glória de Deus não faz acepção de pessoas. 

- Não somos perfeitos: Somos falhos, cheios de erros; mas Cristo nos recebeu para glória de Deus, assim devemos fazer também. 

- Como servos de Deus não devemos  fazer acepção de pessoas. 

Tg. 2.1: Meus irmãos, não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. 

Tg. 2.9: Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado e sois redarguidos pela lei como transgressores. 

- Um dia alguém te recebeu; um dia a igreja de abraçou; e assim devemos fazer da mesma maneira. 

- A glória de Deus faz que amemos uns aos outros. 

Jo. 15.12: O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 

- O mesmo amor com que Cristo nos amou, devemos amar os nossos irmãos. 

Conclusão: 

- Amados, Deus teve misericórdia de nós gentios. 

- Gentios são todos aqueles que não são judeus. 

V. 9: E para que os gentios glorifiquem a Deus pela sua misericórdia, como está escrito: Portanto, eu te louvarei entre os gentios e cantarei ao teu nome. 

V. 10: E outra vez diz: Alegrei-vos, gentios, com o seu povo. 

V. 11: E outra vez: Louvai ao Senhor, todos os gentios, e celebrai-o todos os povos. 

V. 13: Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. 

- Aqui diz: “Para que abundeis em esperança”. 

- “Pela virtude do Espírito Santo”.

 

 

 

 

 

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos