Home
 
 
   

A Essência do Cristianismo

07/01/2014

Mt. 5.43-48  


Int.-
Fomos resgatados do mundo de pecados; Deus nos achou perdidos e sem esperança; vivíamos uma vida materialista e sem propósitos; Deus nos amou do jeito que nós estávamos, do jeito que nos encontrávamos. Não fizemos nada para merecer esse amor; não tínhamos nada para dar em troca por esse grande amor de Deus. Foi Ele que nos deu tudo; deu-nos o Seu Filho Jesus Cristo, que deu a Sua vida por nós na Cruz do Calvário. Deu-nos do Seu Santo Espírito, para nos guiar e nos consolar; deu-nos da Sua Graça que nos enche e nos completa. O Senhor deu-nos a vida eterna, conquistada por Jesus Cristo na Cruz do Calvário.

      Deus não nos pediu nada em troca; não pediu dinheiro; não pediu o nosso sangue; não pediu a nossa vida. Apenas pediu o nosso coração, para que fosse a Sua habitação, apenas isso.

      E não é fácil para nós cristãos sermos morada de Deus; porque para isso, precisamos manter a casa limpa, o coração santificado. Para que Ele fique conosco, precisamos agradá-lo, e para agradá-lo, precisamos imitá-lo; precisamos aceitar a Sua natureza em nossa vida. Quando assim fazemos somos casa de Deus, morada de Deus, habitação de Deus. E o mundo verá Deus em nossa vida.

      O maior elogio que o cristão pode receber é quando as pessoas vêem Deus em nossa vida; que somos morada de Deus.

      A essência do nosso cristianismo é a manifestação do amor derramado em nossos corações.

      Podemos dizer que o amor é o cartão postal do cristão.

      O que tem diferenciado o cristão em todos esses séculos é o amor de Deus manifestado nos atos, nas palavras e na vida do cristão.

      O que que adianta dizer que somos cristãos se o mundo não vê o amor através de nossa vida.

      Vivemos em dias difíceis, onde cada um vive para si, buscando o seu próprio interesse. Um mundo materialista, secularista e sem afeto para com as pessoas. Mas como cristão nós temos que viver o Evangelho de Jesus Cristo; vivermos o amor de Deus que em nós foi derramado. O cristão é diferente das pessoas do mundo; o cristão tem o Espírito de Deus, o cristão tem a Graça de Deus; o cristão tem o fruto do Espírito.

  I-A Bíblia Nos Deixa Bem Claro Que Deus é Amor.

      Existem três grandes declarações absolutas sobre Deus no Novo Testamento: Deus é espírito; Deus é luz e Deus é amor. Cada uma reflete uma faceta fundamental de sua natureza.

I Jo. 4.8: Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.

- A essência de Deus é o amor.

- Tudo o que Deus fez por nós é baseado no amor.

- A natureza de Deus é o amor.

- O maior atributo de Deus é o amor.

Jo. 3.16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

- A prova do grande amor de Deus por nós, foi que Ele deu o Seu único Filho, por nosso resgate.

Rm. 5.8: Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

- Nós ainda não tínhamos sido transformados, mas Ele nos amou assim mesmo.

Ef. 2.4,5: Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou.

      Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).

- Esse grande amor de Deus é inexplicável.

- O homem natural não compreende a grandeza desse amor.

- É algo difícil de ser entendido pelos homens.

- Onde as pessoas vivem num mundo de recompensas.

- Perguntam: Como pode alguém dar aquilo que tem de mais precioso, sem receber nada em troca?

I Jo. 3.1: Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso, o mundo não nos conhece, porque não conhece a ele.

- Se Deus não nos amasse, estaríamos perdidos.

- Somos hoje chamados de filhos de Deus, por causa do Seu amor.

- Estamos aqui esta noite por causa do amor de Deus.

- Este amor nos alcançou e nos atraiu.

II- O Principal Fundamento do Cristianismo é o Amor.

I Co. 13.13: Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e a caridade, estas três; mas a maior destas é a caridade.

- Do que adianta ser cristão se não temos amor.

- A base estrutural do cristianismo é o amor.

I Jo. 4.16-18: E nós conhecemos e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor e quem está em amor está em Deus, e Deus, nele.

      Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no Dia do Juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.

      No amor, não há temor; antes, o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.

- O primeiro aspecto do fruto do Espírito é o amor.

Gl. 5.22: Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

- É o Espírito Santo de Deus que derrama em nós o amor de Deus.

- O termômetro para medir a nossa espiritualidade é o amor.

- Esse amor de Deus no grego é chamado de amor ágape.

- Nenhum homem natural que não tem a Deus possui o amor ágape.

- O amor ágape só é derramado sobre aquele que nasceu de novo.

- Quem é filho de Deus possui o amor ágape.

III- O Cristão Precisa Manifestar Esse Amor.

I Jo. 4.7: Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.

- A prova que somos convertidos é que amamos aos outros.

I Jo. 4.11: Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros.

- Aquilo que foi feito conosco, nós devemos fazer aos outros.

- Aquilo que nós temos recebido de Deus, devemos dar aos outros.

- Se Deus me amou, eu também devo amar ao meu semelhante.

Hb. 13.1: Permaneça o amor fraternal.

- Esse amor deve manifestar-se entre nós.

- Não podemos ser egoísta e pensarmos somente em nós.

- Quem só vivi para si, está sem o amor de Deus em seu coração.

I Jo. 3.10: Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus.

- Não podemos guardar mágoas ou rancores em nosso coração, seja para quem quer que seja.

- Quando quebrantamos o nosso coração, a graça de Deus nos toca e o amor de Deus é derramado em nosso coração.

- O cristão não pode viver um amor de troca.

Mt. 5.46: Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?

- Não podemos amar só aqueles que nos amam.

- Não podemos amar só aqueles que nos elogiam.

- Não podemos amar só aqueles que nos dão presentes.

- Jesus disse que isso fazem qualquer pessoa, não precisa ter Deus na vida, para isso fazer.

V.48: Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nós céus.

- A grande prova da vida cristã é o amor.

- O amor muda a pessoa.

- O amor faz-nos interessados no bem estar dos outros.

- A Graça de Deus em nós trás esse amor ao nosso coração.

- Se não temos esse amor, está faltando Graça de Deus em nós.

Rm. 12.10: Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.

- Devemos amar as pessoas não pelo que elas podem nos dar.

- Devemos amar as pessoas não pela aparência; pela altura ou pelo seu temperamento.

- Devemos amar as pessoas porque o amor de Cristo nos constrange.

II Co. 5.14: Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo, todos morreram.

- Nós devemos amar, porque nós morremos para nós mesmos.

- Morremos para o nosso eu; para as nossas vaidades; para os nossos sentimentos mesquinhos.

- Somos agora parecidos com Cristo.

 

Conclusão: Que possamos ter em relevância esse sentimento tão glorioso, que nos diferencia das pessoas do mundo, tendo o amor ágape em nosso coração.

 
 

  Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil

 
Mais mensagens