Home
 
 
   

A Importância das Nossas Palavras

 18/02/2014

Tg. 3.1-12  

 

Int.- O autor desta Epístola foi Tiago irmão de Jesus. Esta Epístola é chamada de “Guia Prático para a Vida e a Conduta Cristã”. Esta Epístola está repleta de preceitos morais e mostra a ética do Cristianismo. Nesta Epístola é como Tiago estivesse dizendo: “Vivam o Evangelho”.

      Este assunto sobre a importância das nossas palavras, é tão importante, que aqui Tiago usa quase um capítulo inteiro para falar dele; e nas Escrituras encontramos dezenas de versículos nos advertindo quanto a esse assunto.

      Nossas palavras revelam quem somos e a quem pertencemos. As nossas palavras expressam a nossa personalidade. Tiago aqui diz no V.2: que quem não tropeça nas palavras é varão perfeito. Aqui Tiago está dizendo: que se tivermos domínio sobre a língua, o resto é fácil. Tiago faz aqui a comparação com os cavalos, pomos freio nas bocas dos cavalos, para que nos obedeçam, e conseguimos dirigir todo o seu corpo; assim a mão de Jesus Cristo pode dominar o freio da nossa língua.

      Do mesmo modo que um grande navio é controlado por um pequeno leme, e é levado para qualquer direção que o comandante deseje, assim também as mãos de Jesus podem dominar com firmeza o leme da nossa vida: a língua.

      O leme da nossa vida humana é a nossa língua, e quando permitimos o Espírito Santo controlá-la, então passa a nossa vida a ser controlada pelo Espírito Santo.

      Embora pequena, a língua tem grande poder. As palavras podem determinar o curso da vida humana.

      Um ditado chinês diz: Três coisas que não podem voltar mais atrás: Uma flecha lançada, uma oportunidade perdida e uma palavra dita.

      Há poder em suas palavras.

      Essa mesma língua pode ser usada para testemunhar de Cristo e louvar a Deus. A língua é o instrumento de que o Espírito Santo se serve para exaltar o Senhor.

V.9: Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus.

Palavras ditas pelos homens têm desmoronado lares, rompido amizades, dividido igrejas, e levado milhões de pessoas à ruína e ao desespero.

      Há muita gente que se diz crente e que, no entanto, não faz o menor esforço para dominar a língua.

      Nossas palavras nos edificam ou nos destroem.

I-A Bíblia Revela a Importância das Nossas Palavras.

Pv. 12.25: A solicitude no coração do homem o abate, mas uma boa palavra o alegra.

- Queremos sempre ficar perto de pessoas que tem palavras que edificam; que tem palavras positivas; de benção.

2- A Palavra Mansa Aplaca a Ira.

Pv. 15.1: A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.

- Não resolve respondermos com grosseria ou com irritação.

Ef. 4.26: Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.

- Nós pecamos quando aceitamos a provocação; quando respondemos com grosseria e na carne.

- Quando buscamos a Deus o fruto do Espírito se manifesta em nós.

- Quando nós aceitamos a provocação nós perdemos a benção.

- É preferível perder para o homem para ganhar com Deus.

3- A Palavra Suave é Remédio Para o Corpo e Para a Alma.

Pv. 16.24: Favo de mel são as palavras suaves: doces para a alma e saúde para os ossos.

- A pessoa que é imatura se descontrola e se irrita nas situações adversas.

- Percebemos isso no trânsito da cidade: Os mais jovens são mais propensos a se descontrolarem.

- Seja maduro, seja adulto espiritualmente.

- Uma pessoa madura disciplinada é alguém capaz de controlar suas palavras.

4- Tem a Hora Certa de Dizer as Palavras.

Pv. 25.11: Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo.

- A palavra dita na hora certa, é como uma bandeja de prata coberta de maças de ouro.
5- Quando Guardamos os Nossos Lábios, Nos Livramos de Angústias e Perturbações.

Pv. 13.3: O que guarda a sua boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios tem perturbação.

- Conservamos a nossa alma pelo cuidado com as palavras.

- Quem fala muito tem perturbação.

Pv. 21.23: O que guarda a boca e a língua guarda das angústias a sua alma.

6- O Crente Não Pode Falar Palavra Torpe.

Ef. 4.29: Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.

- Graça aos que a ouvem.

- Falar palavra torpe é pecado.

- O que é torpe?

- É aquilo que é infame, vergonhoso, obsceno, indecente, nojento, sórdido, ignóbil.

- Sinônimo de torpe: Asqueroso, desprezível, imundo, nojento, repelente, sujo.

- O crente não pode falar palavrão.

- Nós morremos para o velho homem, para a velha natureza.

- O nosso linguajar mudou.

- Aonde habita o Espírito Santo, há paz e um novo linguajar.

- Se o crente ainda fala palavrão, precisa ainda de uma libertação completa.

- É anormal o crente falar palavrão; falar gíria; usar o linguajar do mundo.

- A Bíblia fala que a boca fala do que o coração está cheio.

Lc. 6.45: O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.

- Se o nosso coração estiver cheio de coisas ruins é isso que vamos falar.

7- As Nossas Palavras Podem Contaminar as Pessoas.

Mt. 15.18: Mas o que sai da boca procede do coração, e isso contamina o homem.

- Temos que tomar muito cuidado para não estragar as pessoas que estão em nossa volta.

8- O Crente Tem Que Ter Sempre Uma Palavra Agradável.

Cl. 4.6: A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um.

- Temperada com sal: é uma palavra equilibrada, de bom uso.

Sl. 37.30: A boca do justo fala da sabedoria; a sua língua fala do que é reto.

9- As Nossas Palavras Definem o Nosso Futuro.

Pv. 18.21: A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto.

I Pe. 3.10: Porque quem quer amar a vida e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano.

10- O Espírito Santo Nos Ajuda a Controlar a Língua.

Sl. 141.3: Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; guarda a porta dos meus lábios.

- Nós podemos orar, pedindo a ajuda de Deus, para domar a língua.

11- A Palavra do Crente Tem Que Ser de Benção.

Sl. 37.30: A boca do justo fala da sabedoria; a sua língua fala do que é reto.

Ec. 5.6: Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro; por que razão se iraria Deus contra a tua voz, de sorte que destruísse a obra das tuas mãos?

I Sm. 2.3: Não multipliqueis palavras de altíssimas altivezas, nem saiam coisas árduas da vossa boca; porque o Senhor é o Deus da sabedoria, e por ele são as obras pesadas na balança.

 

Conclusão:

      Que possamos medir com mais atenção as nossas palavras, para não estragarmos a vida de ninguém e não pecarmos contra Deus. Todas as palavras que dissermos, teremos que dar contas delas um dia para Deus.

      Que nossas palavras sejam palavras de bênçãos e de edificação.

 

 
 

  Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil

 
Mais mensagens