Home
 
 
 
 
 
 
  Comunhão Com Jesus e Com a Igreja

11/06/2016   

 
  Mt. 16.19    
 

 

 

Int.: Uma das finalidades do cristianismo é a nossa comunhão com Jesus e com a Igreja.

      Na oração sacerdotal Jesus dizia:

Jo. 17.11: E eu já não estou mais no mundo; mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós.

      O desejo de Jesus é que nós como Igreja vivamos em comunhão e em harmonia.

I Jo. 1.3: O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo.

      Jesus veio para quebrar a barreira das inimizades, a barreira do desamor.

      O desejo de Jesus é que tenhamos comunhão, ou seja, koinonia.

      O objetivo principal da Santa-Ceia é a comunhão: Com Deus e com a Igreja.

      Quando isso acontece o céu se abre e Deus nos abençoa.

Sl. 133.1: Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!

- Quando os irmãos vivem em união Deus ordena a benção e a vida para sempre.

- A paz, o gozo, e a alegria chegam ao nosso coração na união.

- O inimigo das nossas almas não quer que tenhamos comunhão, porque ele sabe que seremos abençoados por Deus.

- O inimigo veio para roubar, matar e destruir; mas Jesus veio para dar vida e vida com abundância.

      Na Santa-Ceia nós partimos o pão e tomamos o cálice em memória do Senhor Jesus; para mantermos comunhão com Jesus.

      Na Santa-Ceia a nossa aliança com Jesus e com a Igreja é fortalecida.

      No versículo diz: “Que tudo o que ligares na terra será ligado nos céus”.

- O nosso relacionamento com os céus depende do nosso relacionamento com a Igreja.

- Se estivermos ligado na Igreja, estaremos ligados nos céus.

- A nossa ligação com os céus, depende da nossa ligação com a Igreja.

- Alguns crentes pensam que o importante é somente a sua comunhão com Deus e nada mais.

- Mas também é essencial a nossa comunhão com a Igreja.

Hb. 12.14: Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor.

I- Três Aspectos da Comunhão na Igreja.

      A comunhão na Igreja está baseada em três aspectos ou três pilares.

- O nosso relacionamento na igreja tem três aspectos visíveis que mostram se estamos bem em nosso relacionamento ou não.

1- Frequência nos Cultos.

- A assiduidade do crente nos cultos vai revelar o seu relacionamento com Deus e com a Igreja.

- A Igreja é o lugar do nosso encontro com Deus.

- Quando amamos a Deus temos o prazer de estarmos em Sua Casa.

Sl. 122.1: Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor.

- Na Casa do Senhor nós adoramos a Deus.

- Na Casa do Senhor nós buscamos a face de Deus.

- Na Casa de Deus nós aprendemos a Sua Palavra.

- Na Casa de Deus nós mantemos comunhão com os irmãos.

- Na Casa de Deus nós crescemos espiritualmente.

Is. 56.7: Também os levarei ao meu santo monte e os festejarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.

- Frequentar os cultos da igreja é essencial para a nossa comunhão com Deus.

- Ser um cristão caseiro sem frequentar a igreja não é bíblico, isso não prevalece, logo se desliga da terra.

Hb. 10.25: Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes, admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.

- Cada ovelha tem o seu redil para se alimentar e se manter, não há necessidade de deixar o seu redil para se alimentar em outro redil.

- A participação do crente nos cultos é um bom parâmetro de como está a sua comunhão com a igreja e com Jesus.

- Os crentes da igreja primitiva diz em Atos perseveravam unânimes todos os dias no templo.

2- Santa Ceia do Senhor.

- Tomar a Santa Ceia é um aspecto que revela a comunhão do crente com a Igreja.

- Quando o crente está em comunhão com a igreja ele não perde a Santa Ceia.

- A Santa Ceia é o rito de comunhão do crente com Jesus e com a igreja.

I Co. 11.24: E, tendo dado graças, o partiu, e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.

- A participação na Santa Ceia demonstra que o crente está ligado na terra.

- O crente deve sentir necessidade em participar da Santa Ceia na Casa de Deus.

I Co. 10.16: Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é, porventura, a comunhão do corpo de Cristo?

V. 17: Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo; porque todos participamos do mesmo pão.

- A Santa Ceia promove a comunhão entre os crentes em Cristo Jesus.

- O crente que tem o temor de Deus não perde a Santa Ceia de maneira nenhuma.

- Na Santa Ceia estamos celebrando o que Cristo fez por nós na cruz do calvário.

- Na Santa Ceia trazemos na memória o sacrifício vicário de Cristo por nós.

- Fomos perdoados, fomos transformados, fomos feitos novas criaturas.

- Nós temos vida espiritual quando participamos da Santa Ceia.

Jo. 6.53: Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.

V. 54: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.

- Jesus estabeleceu a Santa Ceia na igreja para todo o crente participar para ter vida espiritual.

- Nossa ligação com os céus também passa pela Santa Ceia.

- Aquilo que Jesus tratou como importante também devemos tratar como importante.

3- Contribuição do Dízimo.

Ml. 3.10: Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança.

- Através do dízimo também percebemos se o crente está em comunhão com a igreja ou não.

- Contribuir com o dízimo é uma demonstração de amor a Deus e a sua igreja.

- Contribuir com o dízimo é um ato de fé.

- O crente quando contribui com o dízimo demonstra que está ligado a sua igreja.

- O crente contribuindo com o dízimo está participando da vida da igreja.

- O crente quando não contribui com o dízimo está fora do elo da igreja.

- O dízimo é um importante aspecto que nos liga ao ponto central da comunhão com os céus.

- Faltando esse aspecto o crente está manco.

- Faltando esse aspecto o crente está fora da Palavra de Deus.

- Faltando esse aspecto a comunhão do crente com a igreja está prejudicada.

- No versículo diz: “E tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

- Quando o crente não contribui com o dízimo ele está desligando da terra, ou seja, está fora da comunhão da igreja.

Conclusão:

- Esses três aspectos de comunhão na igreja revelam o nosso estado espiritual.

- Quando o crente não cumpre um desses três aspectos demonstra que a sua comunhão está prejudicada e consequentemente a sua fé está doentia.

- Esses aspectos é um termômetro para avaliar a nossa comunhão na igreja e a nossa fé em Jesus.

- Que tenhamos alegria e prazer em exercer esses três aspectos.

 

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos