Home
 
 
 
 
 
 
 

                                                                                                                                                                                                         04/03/18

Quando o Obreiro se Abate

I Rs. 19.1-7

Int.- Podemos aprender muito da vida de outros. O próprio Elias é não somente um profeta, mas uma profecia. Sua experiência nos serve de aprendizado. Às vezes entramos num estranho e misterioso estado de depressão, e é bom saber, por via das Escrituras, que alguém esteve no Vale da Sombra da Morte. Os cansados, com o coração abatido, duramente provados, estão em condições de desfalecer. Em momentos tais, imaginam que algo estranho lhes sucedeu; mas, a verdade não é essa. Examinando as areias do tempo, podem ver a marca dos pés de um homem, e isso deve confortá-los, ao descobrirem que ele não era um homem insignificante, e sim, um poderoso servo do Senhor.

I- Quem Foi o Profeta Elias?

- Elias, o tesbita, dos moradores de Gileade, é a maneira como é apresentado.

- O nome Elias significa Jeová é meu Deus.

- Foi o mais notável dos profetas.

- Elias foi o profeta do julgamento, da lei, da severidade.

- Seu aparecimento foi repentino, sua coragem foi intrépida.

- Seu zelo em obedecer a Deus foi exemplar.

- Elias tinha uma unção e um poder que nenhum outro profeta tinha.

- Seu triunfo no Monte Carmelo diante dos profetas de Baal é maravilhoso.

- Seu glorioso arrebatamento ao céu num redemoinho e a aparição no Monte da Transfiguração é inspirador.

- Elias foi uma figura notável das montanhas de Gileade.

- Seus longos cabelos caíam-lhe sobre o seu pescoço.

- Deus o enviou para pôr fim ao detestável culto a Baal, praticado durante o reinado de Acabe, que se casara com a ímpia princesa pagã, Jezabel.

- Elias surgiu inesperadamente do deserto e pôs-se diante de Acabe, para falar-lhe ousadamente.

I Rs. 17.1: Então Elias, o tisbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe: Vive o Senhor, Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá, senão segundo a minha palavra.

- Fora-lhe dado poder para fechar os céus para que não chovesse.

- Elias foi o evangelista do seu dia, trovejando advertências a um povo idólatra.

I- A Fraqueza de Elias.

1- Elias era homem de paixões como as nossas.

Tg. 5.17: Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seus meses, não choveu sobre a terra.

- Aqui Tiago mostra que Elias não tinha nada de especial, ele era igual a qualquer um de nós.

- Elias tinha fraquezas como nós temos fraquezas.

- Elias acabara de vencer o grande desafio do Monte Carmelo, onde ele orou e Deus mandou fogo do céu e queimou todo o holocausto.

- Elias tinha acabado de matar todos os profetas os quatrocentos e cinquenta profetas de Baal.

- Acabe fez saber a Jezabel tudo quanto Elias havia feito e como matara totalmente todos os profetas à espada.

- Então Jezabel mandou um mensageiro a Elias a dizer-lhe: Que os deuses me castiguem com todo o rigor, se amanhã a esta hora eu não fizer com a sua vida o que você fez com eles.

V. 3: O que vendo ele, se levantou, e, para escapar com vida, se foi ao deserto.

- O que aconteceu com o profeta Elias?

- Depois de enfrentar o rei Acabe, os quatrocentos e cinquenta profetas de Baal e todo Israel sozinho, agora estava com medo das palavras de uma mulher?

- O abatimento veio ao seu coração, na forma de um medo.

- Elias falhou no ponto em que era mais forte, como muito outros falharam como: Abraão, Jó, Moisés, Pedro, etc.

- Todos nós como obreiros estamos sujeitos a falharmos em algum momento em nosso ministério.

2- Elias sofreu terrível reação.

- Talvez ele mesmo não acreditasse que aquilo estava acontecendo com ele.

- Aqueles que sobem, também descem.

- A profundidade da depressão é igual à altura do arrebatamento.

- Temos que aprender a suportar esses momentos, para superá-los e não desistirmos do ministério.

- Para nós vermos que os grandes homens de Deus enfrentaram momentos de desânimo em seu ministério.

3- Elias Estava muito cansado com a excitação do Carmelo e com a corrida fora do comum, acompanhando o carro de Acabe.

- Os grandes trabalhos trazem um cansaço e um desgaste físico e emocional.

- E isso leva o obreiro ao oposto do que ele estava em seu ânimo.

- Elias sentiu o stress do seu trabalho ministerial ao ponto de acovardar diante da ameaça de Jezabel.

- Elias foi do céu ao fundo do poço.

4- O desejo de Elias foi insensato.

V. 4: Já basta, ó Senhor; toma agora a minha vida.

- Ele fugiu da morte.

- Se quisesse morrer, Jezabel tê-lo-ia matado, e ele não precisaria fugir.

- Ele era mais necessário do que nunca, para sustentar a boa causa.

- É estranho que aquele que escapava da morte, tivesse clamado: “Toma a minha alma!”

- Quão imprudentes são nossas orações, quando nossos espíritos sucumbem!

- Elias foi ameaçado de morte, e fugiu para não morrer, e ao mesmo tempo pede para Deus tirar a sua vida.

- Elias queria, mas não queria morrer.

- Quantas vezes nós obreiros sentimos o desânimo chegar ao nosso coração e por conta disso temos vontade de parar, de deixar o ministério e de até abandonar a igreja.

Ef. 6.13: Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e, havendo feito tudo, ficar firmes.

- O dia mau pode chegar para qualquer obreiro, mas temos que resistir no dia mau e ficar firme.

II- A Ternura de Deus Para Com Elias.

1- Deus permitiu que Elias dormisse; isso foi melhor que remédio, ou censura íntima.

- Muitas vezes diante dos problemas uma boa noite de sono é o melhor remédio.

- Depois de uma caminhada longa Elias estava cansado.

V. 5: E deitou-se e dormiu debaixo de um zimbro.

- Elias procurou uma sombra naquele deserto e dormiu.

- Muitas vezes é melhor deixar para resolver os problemas no dia seguinte, vai dormir primeiro, vai ter uma boa noite de sono.

2- Deus alimentou Elias com alimento próprio.

- Elias fugiu de Jezabel e não levou nenhum alimento nesta viagem.

- Deus não pediu para Elias fugir para o deserto, mas Deus não deixou de cuidar do seu profeta.

V. 5: E eis que então um anjo o tocou, e lhe disse: Levanta-te, come.

V. 6: E olhou, e eis que à sua cabeceira estava um pão cozido sobre as brasas e uma botija de água; e comeu, e bebeu, e tornou a deitar-se.

- Deus sabia que a caminhada de Elias seria longa até o Monte Horebe, então o anjo lhe toca pela segunda vez para que coma.

V. 7: E o anjo do Senhor tornou segunda vez, e o tocou, e disse: Levanta-te e come, porque mui comprido te será o caminho.

- O alimento de Deus tem uma capacidade de sustentação extraordinária.

- Diz a Bíblia que com a força daquela comida, Elias caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus.

- Veja o cuidado de Deus com aquele que é chamado por Deus.

- Mesmo Elias fazendo algo que Deus não o mandou fazer, Deus estava cuidando dele.

- Assim acontece com o obreiro na sua fraqueza, Deus continua com a sua mão sobre ele, Deus continua apostando no obreiro.

- Deus está apostando as suas fichas em você.

3- Deus permitiu que Elias contasse seu pesar.

V. 10: E ele disse: Tenho sido muito zeloso pelo Senhor, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram o teu concerto, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e só eu fiquei, e buscam a minha vida para ma tirarem.

- Muitas vezes, esse é o mais imediato alívio.

- Elias expôs seu problema, e assim, acalmou a própria mente.

4- Deus então se revelou a Elias e revelou os seus caminhos.

- O forte vento, o terremoto, o fogo e até a voz suave, foram vozes de Deus.

- Quando sabemos o que é Deus, ficamos menos preocupados com outras questões.

- Deus sempre nos leva a um ponto para falar conosco.

- O que é importante para o obreiro é saber que Deus está com ele.

- O ministério de Elias aqui na terra ainda não havia terminado, Deus ainda tinha muita coisa a realizar através de Elias.

 

 

 

5- Deus lhe contou boas novas.

V. 18: Também eu fiz ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que se não dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.

- Desse modo, foi afastado seu sentimento de solidão.

- Amado você não está sozinho nesta peleja, Deus tem levantado também outros obreiros para o trabalho.

- O Corpo de Cristo que é a Igreja é composto de vários membros que na sua somatória formam o Corpo.

- A somatória do trabalho de todos faz com que a obra de Deus cresça.

- Você é importante nesse trabalho, mas você não está sozinho.

6- Deus deu a Elias mais trabalho para fazer.

- Ungir outros, pelos quais os propósitos de castigo e de instrução do Senhor seriam efetuados.

- Seu trabalho nesta terra não havia terminado.

V. 15: E o Senhor lhe disse: Vai, volta pelo teu caminho para o deserto de Damasco, vem e unge a Hazael rei sobre a Síria.

V. 16: Também a Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei de Israel; e também a Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar.

- Deus revelou a Elias o seu propósito no seu ministério.

- Como obreiro podemos ter uns altos e baixos, mas o propósito de Deus em nossa vida continua.

III- Lições Importantes Que Aprendemos Com Elias.

      Raramente é certo orar para morrer; é melhor deixar o assunto com Deus; não podemos destruir as nossas próprias vidas, nem pedir ao Senhor que o faça.

      Nas Escrituras, três homens oraram para que Deus lhes desse a morte: Moisés, Elias e Jonas. As três orações ficaram sem resposta. Para o pecador, nunca é certo buscar a morte; pois a morte, para ele, é inferno. O suicida intencional sela a sua própria condenação.

- Elias que teve coragem de dizer na face de Acabe: Eu não tenho perturbado a Israel, mas tu e a casa de teu pai, ele que orou para ressuscitar morto, abrir e fechar os céus, fazer fogo e água descer com suas orações; ele que ousou repreender e contradizer a todo o Israel; ele que ousou matar os quatrocentos e cinquentas profetas de Baal a espada. Agora se encolhe em face das ameaças de uma mulher? Quer ele livrar-se de sua vida, porque temia perdê-la. Quem pode esperar constância destituída da carne e do sangue, se o próprio Elias falhou?

- Amados o mais forte e mais santo fiel sobre a terra está sujeito a algum desfalecimento de temor e debilidade.

- Estar sempre e invariavelmente bem é próprio somente dos gloriosos espíritos que se acham no céu.

- Dessa maneira Deus terá seu poder aperfeiçoado em nossa fraqueza.

- É em vão que nós, enquanto carregarmos esta carne conosco, esperemos tão perfeita saúde que não desanimemos, ocasionalmente, com acessos de indisposição espiritual.

- Não é novidade que homens santos desejem a morte.

- Pedir a morte por causa de um aborrecimento da vida, por causa de uma impaciência de sofrer é uma fraqueza imprópria de um santo.

Pv. 24.10: Se te mostrares frouxo no dia da angústia, a tua força será pequena.

- O homem de Deus não pode mostrar fraqueza no dia da angústia se não, não terá força para vencer a luta que surgir.

- O obreiro precisa ser forte nas adversidades para não perecer.

- Deus não nos deu o espírito de medo, mas de fortaleza.

II Tm. 1.7: Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação.

- Quando Deus chama o obreiro, Deus coloca nele o espírito de fortaleza.

- Para que o obreiro possa ser forte nos momentos difíceis que surgir no seu ministério.

- Seja forte, seja corajoso, não permita o desalento chegar em seu ministério.

II Tm. 2.1: Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus.

- Paulo aconselhava ao obreiro Timóteo a se fortificar na graça que há em Cristo Jesus.

V. 3: Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.

- Para o obreiro sofrer as aflições e aguentar, ele precisa se fortificar na graça do Senhor Jesus.

- O Senhor dizia para Paulo: “A minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

- O Senhor não dará uma responsabilidade ministerial maior a qual não possamos suportar.

- Elias levantou-se e, para salvar sua vida, se foi.

- Melhor seria se permanecesse fiel à sua tarefa de profeta e respondesse a Jezabel: “Que nada temo senão o pecado”.

- Lutero teve seus acessos de medo, embora ele dissesse: “Não me preocupo nem com o favor nem com a fúria do Papa”.

- Quem disse a Elias que bastava?

- Deus ainda tinha mais para ele.

- Seu ministério não havia terminado; sua obra na terra não havia acabado.

- Só acaba quando Deus diz que acabou.

A) A Causa do Desalento de Elias.

1- Diminuição da força física.

- Elias estava cansado do esforço feito no desafio do Monte Carmelo.

- Por isso é importante o obreiro cuidar do seu corpo físico que é o templo do Espírito Santo.

- Uma boa saúde e uma boa disposição ajudam muito a fazer a obra de Deus.

2- Segunda causa: Carência de Simpatia.

- Elias disse: “Eu fiquei só”.

- A solidão de sua posição lhe era chocante.

- Uma boa equipe de cooperadores ajuda muito o obreiro a fazer a obra de Deus.

- É muito bom o obreiro ter companheiros para lhe ajudar no ministério.

- Muitas vezes quando o obreiro está só o desanimo chega em sua vida.

3- Carência de Ocupação.

- Enquanto Elias teve o trabalho de profeta para realizar, difícil como era esse trabalho, tudo ia muito bem; mas sua ocupação terminou.

- Amanhã, e depois de amanhã, que lhe restou na terra para fazer?

- A miséria de nada ter para realizar leva o profeta a um estado de baixa autoestima.

- O obreiro de Deus precisa estar ocupado com a obra de Deus o tempo todo, para não ser traído pelos seus próprios sentimentos.

4- Quarta causa: Desapontamento em Suas Expectativas de Êxito.

- No Carmelo, o grande objetivo pelo qual Elias vivera parecia que havia sido alcançado.

- Os profetas de Baal foram mortos.

-Jeová foi reconhecido em uma só voz pelo povo.

- A falsa adoração foi derrubada.

- O objetivo da vida de Elias: a transformação de Israel num reino de Deus, quase foi realizado.

- Em um só dia todo esse quadro brilhante foi aniquilado.

- Elias ficou desapontado com a ameaça de Jezabel.

- Que lição que eu tiro aqui: Na igreja noventa e nove pessoas vão te apoiar e vão glorificar a Deus pelo seu trabalho, e uma pessoa vai te criticar e ficar contra você.

- Não olhe e nem baseie o teu animo naquela uma pessoa, mas olhe para as noventa e nove que estão te apoiando.

B) O Tratamento Dado Por Deus ao Desalento de Elias.

1- Primeiro: Deus Reuniu as Forças de Seu Servo.

- Refeições miraculosas foram servidas.

- Elias dorme, acorda e come; e, com a força daquela comida, Elias caminha quarenta dias.

- Deus cuidou de Elias mesmo ele fugindo de Jezabel.

- Deus não abandona o obreiro que ele chama para a sua obra.

2- A Seguir, Jeová Acalmou-lhe a Mente Cheia de Tormentos.

- Ordenou que o furacão varresse o céu, e que o terremoto abalasse o solo. Acendeu os céus, até que se tornassem uma massa de fogo.

- Tudo isso expressava e refletia os sentimentos de Elias.

3- Além Disso, Deus Fê-lo Sentir a Seriedade da Vida.

- “Que fazes aqui, Elias?”

- A vida de um profeta é para ação mais nobre, e o profeta não estava atuando, mas lamentando-se.

- Tal voz repete a todos nós, despertando-nos de nossa letargia, ou de nosso desalento, ou de nosso lazer demorado: “Que fazes aqui?”

4- Deus Completou a Cura Pela Certeza da Vitória.

- “Também conservei em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal.”

- Assim, pois, a vida de Elias não foi um fracasso, afinal de contas.

Conclusão:

V. 19: Partiu, pois, Elias, dali.

- Elias saiu da caverna e continuou o seu ministério.

- O obreiro pode ter um abatimento em seu ministério, mas é momentâneo, o Deus que te chama te anima e te levanta a prosseguir.

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos