GUARDA O DEPÓSITO                          
I Tm.6.20


Int.-
Esta Epístola de Paulo a Timóteo é uma Epístola Pastoral, escrita a um obreiro; dando instruções a Timóteo de como proceder como um obreiro de Deus na Sua obra.

      No Cap.1.2- Paulo chama Timóteo de seu filho na fé. Timóteo foi ganho para Cristo por Paulo. Timóteo foi separado para a obra de evangelista.

      Em II Tm.4.5- Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

- Timóteo foi companheiro de Paulo na sua segunda viagem missionária; aprendeu muito com Paulo.

- Timóteo era um obreiro jovem e muito dedicado na obra de Deus.

- Timóteo era um grande conhecedor da Palavra de Deus, e procurava praticá-la com zelo em sua vida.

      Em I Tm.6.11- Paulo chama Timóteo de homem de Deus.

- Porque Timóteo era um obreiro que vivia as qualidades de um homem de Deus.

      Em II Tm.1.6- Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus, que existe em ti pela imposição das minhas mãos.

- Timóteo possuía um dom de Deus que estava deixando de usá-lo.

- Paulo dizia: Reaviva o dom de Deus que há em ti.

- Todos os obreiros chamados tem algum dom de Deus.

- Reaviva o dom de Deus que você tem.

- Reacenda o dom de Deus que lhe foi confiado para servir.

a) O tempo de instrução e preparação do obreiro é como a arrumação da lenha para a fogueira.

- Por ocasião da consagração Deus acende o fogo.

- Cabe ao obreiro não deixar esse fogo se apagar.

Lv.6.13- O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará.

- A chamada de Deus para a nossa vida não se apaga.

- A linha traçada por Deus para nós sempre existirá.

- Somos nós que saímos da linha traçada por Deus.

- Somos nós que enterramos o dom que Deus nos deu.

- A fé não é uma herança. É uma chama que Deus acende na alma.

b) Todos nós precisamos ser lembrados da nossa herança e responsabilidades cristãs.

    

- O fogo do zelo no dom pode apagar-se ou tornar-se ineficaz, se alguém não tem cuidado no exercício do dom.

- Nada é automático na vida espiritual.

- Precisamos abanar as brasas, e também colocar lenha na fogueira.

Pv.26.20- Sem lenha, o fogo se apagará.

- Cuide do dom de Deus em sua vida.

- Cuide do seu ministério diante de Deus.

- Os conselhos de Paulo à Timóteo são para que ele cuide de seu ministério.

I- A Guarda do Depósito.

      Nesse V.20- Paulo diz: Guarda o depósito que te foi confiado.

- No grego esta palavra é phulasso- que significa proteger, montar guarda.

      O verdadeiro ministro é semelhante a um sentinela em seu posto, com a responsabilidade de cuidar e vigiar diligentemente.

      O Apóstolo Paulo mostra a preocupação, para que Timóteo não perdesse aquilo que havia alcançado.

II Tm.1.14- Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós.

- Sempre é falado: O difícil não é chegar, mas é manter.

- O obreiro deve cuidar para não perder aquilo que já recebeu do Senhor.

II- Podemos Citar Alguns Depósitos que o Obreiro Deve Manter:

1- Fé.

      A fé é fundamental para o ministério do obreiro.

- A fé é a confiança em Deus.

- O primeiro ponto importante para o obreiro é a sua confiança em Deus.

- Se o obreiro não confiar em Deus, ele terá um ministério sem rumo, sem propósito, e o pior de tudo sem fruto.

      Paulo disse em II Tm.4.7- Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.

- Paulo não perdeu a sua fé em Deus.

- Quando somos um obreiro sem fé, esperamos do homem e não de Deus.

- O obreiro de fé sempre espera em Deus.

    

Hb.11.6- Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam.

- Quando duvidamos do agir de Deus, estamos lhe desagradando.

- O obreiro enfrenta conflitos e lutas que podem abalar a sua fé.

I Tm.1.18,19- Este mandamento te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que houve acerca de ti, milites por elas boa milícia.

      Conservando a fé e a boa consciência, rejeitando a qual alguns fizeram naufrágio na fé.

- Paulo dava exemplos de obreiros que naufragaram na fé, por não conservarem a fé e a boa consciência.

- Um dos trabalhos do obreiro é conservar a fé.

2- Evangelho.

- O obreiro precisa ter convicções da sua crença.

- Da verdade do Evangelho que prega.

II Tm.1.12- Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho, porque eu sei em quem tenho crido e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até aquele Dia.

- Paulo tinha convicções da sua crença.

- O obreiro precisa ter o conhecimento pleno do Evangelho que vive e que prega.

Rm.1.16- Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego.

- O Evangelho é o poder de Deus para a salvação do homem.

- Nós não podemos perder esta certeza e nem duvidarmos em nenhum momento.

- Precisamos guardar este depósito.

3- Sã Doutrina.

I Tm.4.16- Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.

- O obreiro precisa guardar e preservar a sã doutrina.

- Vivemos em dias onde ouvimos muitas heresias e doutrinas de homens.

 

    

- O obreiro não pode se iludir com nenhum desses movimentos; mesmo que atraia muita gente.

II Tm.4.2-5- Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.

      Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências.

      E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

      Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

- Muitos procuram um Evangelho fácil, sem abnegação.

- Mas Paulo aqui exorta: Pregues a palavra, cumpre o teu ministério.

I Tm.6.3-5- Se alguém ensina alguma outra doutrina e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com a doutrina que é segundo a piedade.

      É soberbo e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas.

      Contendas de homens corruptos de entendimento e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho. Aparta-te dos tais.

- Aqueles que pregam outra doutrina e não conforme a sã doutrina, Paulo aconselha: Aparta-te dos tais.

- Guarde o depósito da sã doutrina.

4- Convicção da Chamada.

- O obreiro precisa ter a convicção da chamada.

- A certeza que Deus o chamou para a sua obra.

- Porque nos momentos das grandes provas na obra, é esta convicção que vai nos sustentar no trabalho.

- Muitas vezes o obreiro sofrerá perdas; e dúvidas virão, se Deus está conosco ou não; mas a convicção da chamada nos fará confiar em Deus, em meio as grandes batalhas.

Rm.1.1- Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus.

- Paulo tinha convicção da sua chamada.

- Paulo sofreu tremendamente em seu ministério, mas não abandonou a sua missão.

    

II Co.11.23-28- São ministros de Cristo? (Falo como fora de mim). Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; em açoites, mais do que eles; em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes.

      Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um.

      Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo.

      Em viagens, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos.

      Em trabalhos e fadiga, em vigílias, muitas vezes, em fome e sede, em jejum, muitas vezes, em frio e nudez.

      Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas.

- Situações que Paulo vivei, e ele entendeu que o sofrimento também faz parte do ministério.

At.9.15,16- Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel.

      E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome.

- Você tem uma chamada de Deus; as lutas e provas fazem parte dessa chamada.

- E essas lutas e provas são para nos fortalecer no ministério.

II Tm.2.3- Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.

Exemplo: O nosso dirigente em Terezina-Piauí.

- Quem não tem convicção da chamada, logo desiste do ministério; pula para fora do barco.

- Muitas vezes a prova é: financeira; enfermidade na família; difamações; incompreensões e perseguições.

- Somente quem tem convicção da chamada não desiste; não recua; não volta atrás.

- Guarde o depósito da convicção da chamada.

5- Confiança Ministerial.

      É o obreiro ter segurança da sua separação para o ministério.

- O obreiro ter convicção da sua função na Igreja.

- O obreiro ter certeza do seu lugar no Reino, no Corpo de Cristo.

 

I Tm.1.12- E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus, Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério.

- O Apóstolo Paulo tinha confiança ministerial.

- O Apóstolo Paulo sabia que tinha uma responsabilidade diante de Deus, pela Igreja do Senhor Jesus.

- Paulo advertia os obreiros pelo seu trabalho no ministério.

E dizei a Arquipo: Atenta para o ministério que recebeste no Senhor, para que o cumpras.

- Paulo dizia a Timóteo: Cumpre o teu ministério.

- A confiança ministerial, nos ajudará a fazer a obra de Deus, com convicção e certeza no Reino de Deus.

- Ela é importante para que ninguém: Nem homem, nem Satanás, consigam desestabilizar-nos da nossa função na Igreja de Deus.

- Quando temos a confiança ministerial, fazemos a obra de Deus com alegria.

At.20.24- Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.

- O Apóstolo Paulo cumpria o seu ministério com alegria.

- Muitas vezes o obreiro vai sofrer a desconfiança da sua chamada para o ministério; mas o Espírito Santo de Deus nos confortará e nos dará a segurança da nossa missão no Reino de Deus.

Jo.14.26- Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.

- O Espírito Santo de Deus nos consola e nos faz lembrar da nossa chamada ministerial.

- Guarde o depósito da confiança ministerial.

 

Conclusão: O Senhor Deus nos confiou esse depósito, e é importante nos guardarmos, para que nada venha nos desviar do alvo, da missão, do propósito de Deus para com a nossa vida.

     

  Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo